Monthly Archives: Outubro 2005

Cientista mistura água e óleo de maneira natural

CIENTISTA MISTURA ÁGUA E ÓLEO DE FORMA NATURAL
Um cientista australiano conseguiu misturar óleo e água de maneira natural, o que pode ter várias aplicações práticas em áreas que variam da medicina à cosmética. Richard Pashley da Universidade Nacional Australiana, explicou que a descoberta consiste em eliminar o gás dissolvido na água, essencialmente oxigênio e hidrogênio. Uma vez realizada a operação, a água e o óleo misturam-se espontaneamente e permanecem assim durante um longo tempo. A extração dos gases da água não é uma operação difícil de realizar e, na indústria, o oxigênio é frequentemente retirado da água para que esta se torne menos corrosiva. Até esta descoberta, o único meio de misturar óleo e água era acrescentando detergentes.

 

(originalmente postado na comunidade Aromaterapia e Óleos Essenciais do yahoogrupos)

 

Nome do perfume interfere na percepção dos cheiros

NOME DO PERFUME INTERFERE NA PERCEPÇÃO DE CHEIROS
04/10/05

O nome dado a um perfume pode “mudar” seu cheiro, segundo uma pesquisa da
Universidade de Oxford, na Grã-Bretanha, publicada pelo jornal Neuron. No
estudo, um rótulo se mostrou suficiente para que voluntários “imaginassem”
um cheiro antes mesmo de senti-lo, ou mesmo conseguissem sentir algum cheiro
apenas respirando ar puro. Em uma das experiências, depois de cheirá-lo,
voluntários disseram que um pedaço de queijo cheddar com o rótulo “cheddar”
cheirava melhor que o mesmo pedaço de queijo com o rótulo “odores
corporais”. O professor Edmund Rolls, que liderou a pesquisa, e sua equipe
analisaram exames de ressonância magnética do cérebro dos voluntários
enquanto eles testavam os perfumes para ver o que acontecia. Quando o queijo
cheddar estava rotulado corretamente, foram ativadas mais áreas do cérebro
que interpretam os cheiros. Ar puro rotulado como queijo cheddar ativou as
mesmas áreas do cérebro, mas em menor escala. Mas quando o queijo ou o ar
puro eram rotulados como “odores corporais”, não havia qualquer atividade
nessas áreas. Os pesquisadores também concluíram que o tempo de inalação não
alterou os resultados. “Os rótulos em nossas experiências influenciaram o
senso de percepção de um odor”, disse o professor Rolls.

(Postado originalmente no yahoogrupos)