Projeto defende cultivo de pau-rosa e produção de óleo das folhas na Amazônia

Projeto defende cultivo de pau-rosa e produção
de óleo das folhas na Amazônia

Texto enviado pelo Coordenador do Projeto: Prof. Dr. Lauro E. S. Barata Laboratório de Química de Produtos Naturais – UNICAMP lbarata@…

Desde o início do século passado, o óleo essencial do pau-rosa (Aniba rosaeodora Ducke) tem sido usado de modo não sustentável e em larga escala, para a produção de linalol e fragrâncias para a indústria de perfumaria, levando o IBAMA a incluí-lo na lista de espécies em perigo de extinção. A produção do óleo essencial é baseada na destruição da árvore, cujo tronco é cortado, reduzido a cavacos e extraído em reatores por arraste a vapor para a indústria internacional de perfumaria e cosmética. Estima-se que meio milhão de árvores de pau-rosa já foram abatidas desde o início da exploração predatória iniciada na década de 30, ou 2 mil árvores abatidas anualmente para a produção de 50 toneladas de óleo.

Mesmo os produtores reconhecem que o estado atual da exploração do pau-rosa levará a extinção da atividade extrativa na região, a institucionalização de práticas ilícitas, e ao empobrecimento maior das 2 mil pessoas envolvidas na produção que no passado empregava 30 mil pessoas. A introdução do linalol sintético no mercado nos anos 80 provocou marcante decréscimo das atividades de extração. Hoje apenas seis produtores continuam em atividade significativa, todos atuando no estado do Amazonas.

O Prof. Lauro Barata do Laboratório de Química de Produtos Naturais da UNICAMP, que foi apoiado pela Bioamazônia e Banco da Amazônia em projeto já finalizado, realizou a prospecção de óleos essenciais de folhas de pau-rosa de cultivos existentes no Estado do Pará e no Amazonas. Verificou que as folhas de pau-rosa de cultivos de diferentes idades, e diferentes condições ecológicas, produzem óleos em rendimento e qualidade similares aos da madeira do pau-rosa. Os resultados desta pesquisa foram apresentados no Workshop Internacional IFEAT, em Buenos Aires, em novembro de 2001, quando amostras de óleo das folhas foram distribuídas às principais empresas internacionais de perfumaria da França, Alemanha e EUA, tendo passado no teste, isto é, os perfumistas apenas aguardam que o óleo seja produzido para incorporá-lo às suas fragrâncias.

O projeto do Prof. Barata, diferencia-se das pesquisas científicas feitas nos últimos 30 anos, pela direta aplicação tecnológica, que deve agregar valor e criar mercado para um novo produto na área de perfumaria, o óleo essencial das folhas de pau-Rosa. Baseado no sucesso das pesquisas e na aceitação inicial do óleo pelas empresas, o Prof. Barata estabeleceu uma cooperação com o Prof. João Ferraz do INPA, em Manaus. Juntos estão apresentando ao Fundo Nacional do Meio Ambiente, projeto de apoio a três produtores tradicionais de óleo de pau-rosa, para o cultivo experimental de pau-rosa e extração do óleo essencial das folhas. Cada produtor utilizará uma área de 30 hectares para plantar 10.000 mudas de pau-rosa consorciadas com mandioca e 2.500 mudas de outras espécies aromáticas.

O óleo essencial será obtido por poda das folhas e extração tradicional por arraste a vapor. O pau-rosa quando podado permite o esgalhamento, o que aumenta muito sua biomassa e conseqüentemente a produção do óleo essencial. Além disso, a poda provocará maior consumo de carbono, o que pode configurar uma zona de seqüestro de carbono. De fato, os produtores-extrativistas estão tão certos do sucesso do empreendimento, que por conta própria já iniciaram o cultivo, de 20 mil árvores de pau-rosa, 2 mil de casca-preciosa, mil de cumaru, 700 de copaíba e 6 mil de andiroba consorciadas ao pau-rosa. O cultivo consorciado com macaxeira, mandioca e outras ervas anuais, poderão pagar parte dos custos fixos. A idéia é permitir que haja um retorno econômico rápido aos participantes, antes do 3º ano – que é quando se espera ter o primeiro teste de extração industrial e venda do óleo essencial das folhas. As espécies consorciadas são familiares às comunidades. Este é um projeto que pretende ser auto-sustentável e deve viabilizar-se economicamente a partir do 5º ano, quando entrará na fase pré-industrial.

Neste ponto, cada produtor estará produzindo cerca de mil litros do óleo essencial de folhas de pau-rosa em cada 30 hectares, que somado ao cultivo de outras espécies, levará a um faturamento de US$ 50.000,00, maior do que o obtido hoje pela destruição da floresta. O preço de venda (FOB) do óleo essencial das folhas do pau-rosa, em razão do apelo ecológico, deve ficar em US$ 50/litro. No atual projeto, serão realizadas as etapas de cultivo, manejo, tratos silviculturais e agronômicos, análise foliar comparativa à análise do solo, sistema de poda de folhas e galhos, extração por arraste a vapor, destilação a vapor d’água, controle de qualidade, análises químicas e sensorial, e estabilização do óleo.

Complementarmente, será realizada a análise da viabilidade técnica e econômica da produção via estudo de mercado para o novo óleo. Para alcançar os objetivos, os pequenos produtores extrativistas são peça chave e no futuro devem ser os protetores das árvores remanescentes de Pau-Rosa para preservá-las como matrizes para clones. São com trabalhos como este, que acreditamos poder reduzir a devastação da Amazônia.

Vice-Coordenador: Prof. Dr. João Ferraz INPA – Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia Localização do projeto: Nova Aripuanã, Presidente Figueiredo e Parintins – Estado do Amazonas.
(essa notícia foi dada em abril de 2004 – mas ainda tem sua importância, pois o pau-rosa continua sob ameaça).

9 responses to “Projeto defende cultivo de pau-rosa e produção de óleo das folhas na Amazônia

  1. Prof. gostaria de saber se em Minas Gerais é viável a cultura do paurosa?Qual tipo de terreno?
    Cordialmente, Paulo Roberto.

    Gostar

  2. Paulo Roberto Xavier de Oliveira

    Prof.Dr. Lauro E. S. Barata, eu Sou Paulo Roberto de Leopoldina-MG, já li vários textos do Sr. sobre o Pau-rosa, e gostaria de saber se em minha cidade teria condição plantar e desenvolver bem o Pau-rosa.
    Cordialmente, Paulo Roberto.

    Gostar

  3. Homerio P. da Silva

    Olá, moro no amazonas, sou assentado da reforma agraria, o que eu devo fazer para fazer parte de um projeto de cultivo de Pau Roa e extração de óles ?
    Um abraço
    Homerio Silva

    Gostar

  4. Luciano de Cassio custodio Jorge

    Gostaria de saber a possibilidade do plantio de pau rosa no norte de minas (Monte Azul) e sudoeste da Bahia (Guanambi).
    Aguardo contato
    Luciano.

    Gostar

  5. Boa tarde

    Somos empresa Reflorestamento Taboquinha em MG e estamos procurando mudas / sementes de Pau Rosa.

    Poderia nos ajudar?

    SDS

    J. Eduardo Ramos
    031 9954 0436
    Reflorestamento Taboquinha – MG

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s