Investigação química de óleos essenciais de plantas da Guatemala

A tese de doutorado de Juan Perez Sabino, calcado nos óleos essenciais de plantas guatemalcas, pode ser acessado livremente

A composição química dos óleos essenciais de oito plantas nativas da Guatemala foi investigada para avaliar o potencial de produção do óleo essencial. Os óleos essenciais de Lippia cardiostegia; Lippia chiapasensis; Lippia controversa; Lippia graveolens; Lippia myriocephala; Lippia substrigosa; e Phyla dulcis (da família Verbenaceae); e Litsea guatemalensis (Lauraceae); foram extraidos por hidrodestilação e analisados por cromatografia em fase gasosa com detectores de ionização de chama e de espectrometria de massas. Especial ênfase foi dado ao estudo do óleo essencial de L. graveolens (orégano mexicano) por existir um mercado internacional para o óleo de orégano; e pelo alto rendimento que o óleo dessa planta mostra na Guatemala. O óleo essencial de L. graveolens apresentou as melhores características de rendimento (1;8-4;9% para quimiotipo timol; 1;3-4;6% para quimiotipo carvacrol e 1;0-3;4% para quimiotipo misto) e composição química (timol até 90;2% em quimiotipo timol e carvacrol até 75;3% em quimiotipo carvacrol); para produção do óleo essencial entre as plantas estudadas. Os três quimiotipos previamente identificados foram encontrados; tanto em um experimento de cultivo da planta realizado pelo Instituto de Ciência e Tecnologia Agrícola (ICTA) da Guatemala; como em três coletas de populações silvestres realizadas durante o estudo. Os quimiotipos timol e carvacrol foram os mais atrativos para cultivo; tanto pela composição química e rendimento; como pelas maiores atividades antimicrobiana e antioxidante mostradas neste estudo. O quimiotipo misto poderia ser cultivado para ser utilizado na indústria cosmética. Várias populações de L. graveolens apresentaram mais de um quimiotipo; pelo qual se considera que o quimiotipo de uma população desta planta; não pode ser atribuido com base na composição média de amostras compostas. Outra conseqüência deste resultado é que para coleta de sementes; espécimes do quimiotipo de interesse devem ser cuidadosamente selecionados com base no conhecimento da composição química do óleo; para obter rendimentos e composição química satisfatórios. A Microextração em Fase Sólida demonstrou aplicabilidade para esse propósito; ao conseguir diferenciar os quimiotipos de espécimes de L. graveolens a partir da fração volátil; sem extrair o óleo essencial. As técnicas de análise multivariada foram uma importante ferramenta para classificar os quimiotipos de L. graveolens das diferentes coletas da planta. xix Uma tendência de distribuição geográfica para os quimiotipos de L. graveolens que precisa ser confirmada no futuro com um maior número de amostras; foi encontrada na região de estudo desta planta; com o quimiotipo misto predominante na parte oeste do bioma “chaparral espinhoso”; uma transição dos quimiotipos misto e timol no centro da área; duas populações do centro com quimiotipo timol predominante; e o quimiotipo carvacrol predominante na parte este da região. Os óleos essenciais das plantas L. chiapasensis; L. guatemalensis e P. dulcis; apresentaram resultados de rendimento razoáveis (0;8-1;2%; 0;5-0;6% e 0;5-0;8% respectivamente) e substâncias aromáticas com propriedades antimicrobianas; com potencial para o cultivo e produção do óleo essencial das plantas. L. substrigosa e L. controversa; plantas que não apresentam usos na medicinal tradicional; apresentaram rendimentos baixos (0;3% e 0;24%; respectivamente) e substâncias com atividade antimicrobiana; com valor econômico; em elevadas percentagens; e por isto poderiam ser consideradas para produção do óleo essencial. L. myriocephala apresentou óleo essencial com baixo rendimento (0;1%); com nerolidol como componente principal (71;4%); substância valiosa na perfumaria; considerando-se assim como uma planta com potencial para melhoramento e cultivo para produção do óleo essencial. L. cardiostegia; apresentou óleo essencial com baixos rendimentos (0;35%) sem teores elevados de substâncias de alto valor econômico; e por esta razão esta planta não é recomendável para produção de óleo essencial. Os óleos essenciais de L. graveolens dos quimiotipos timol e carvacrol mostraram a maior antioxidante e antimicrobiana; das cinco plantas testadas (L. graveolens; L. chiapasensis; L. substrigosa; O. dulcis e L. guatemalensis); devido ao alto conteúdo dos fenóis timol e carvacrol. Os óleos foram submetidos ao método do DPPH (atividade antioxidante) e contra os microorganismos E. Coli; S. aureus e C. albicans (atividade antimicrobiana). O óleos essenciais quimiotipos timol e carvacrol mostraram valores de CIM (0;1 e 0;2 μL/mL; respectivamente) menores que o antibiótico ciprofloxacina (0;25 μL/mL). Todos os óleos essenciais das plantas estudadas do gênero Lippia apresentaram monoterpenos e sesquiterpenos característicos de espécies desse gênero; sendo esta informação útil para a quimiossistemática do gênero.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s